Cloud computing para grandes sites em WordPress

Cloud para grandes sites em WordPress

Cloud para grandes sites em WordPress

Estamos em uma era que não podemos negar o poder do WordPress em administrar sites. Muito além dos antigos blogs que víamos sempre por aí, grandes sites, portais e até mesmos lojas
virtuais já podem, e estão utilizando desta plataforma para se estabelecerem online. É o caso de sites como o do ministério da cultura, USP (Universidade de São Paulo) e o próprio iMasters.

Estes tipos de sites tem em comum alguns pontos que não permitem mais funcionar normalmente dentro de uma estrutura compartilhada. A utilização de plugins para controle
e segurança do WordPress e o nível de personalização do próprio WordPress para atender as demandas destes tipos de projetos podem ser um fator a se analisar. Mas sem dúvida o
fluxo de processos, acessos e atualizações de banco de dados que superam, e muito, qualquer estrutura fornecida por planos comuns de hospedagem são o maior fator a se considerar aqui.

Estrutura Dedicada do cloud

Ao contrário das hospedagens compartilhadas uma estrutura em cloud computing permite a disponibilização de recursos dedicados ao projeto. Isto quer dizer, mais segurança, estabilidade e desempenho para o projeto que não será influenciado por outros sites que estão no mesmo servidor.

Nesta estrutura é possível pensar de forma escalada os recursos que vão atender a esta alta demanda do projeto. Sejam recursos para o fluxo normal de utilização do site ou para um momento de pico o cloud computing permite aos administradores de desenvolvedores se precaverem contra ultrapassar o uso de recursos como, memória, espaço em disco e VCPUs conforme o crescimento do uso destes sites.

O patamar de informações que circulam neste tipo de projeto precisa estar muito bem alinhado com os recursos aplicados ao servidor que o sustenta. Um erro aqui pode ser o fim da estabilidade do site.

Separação de banco de dados

O WordPress, como um bom CMS, realiza o controle de informações dentro de banco de dados. Assim, pode não parecer tão claro mas, se preocupar com o acesso, estabilidade e cacheamento desta base de dados é o fator que deve estar no top 1 das preocupações do seu projeto.

A Notícia boa é que com uma estrutura em cloud é possível criar um cluster de banco de dados. Este cluster é responsável por separar em diferentes instâncias sua aplicação web (que vai possuir acesso dos seus usuário) e a escrita/leitura dos dados no banco de dados que serão feitas pela aplicação. Em um post feito no Blog da DialHost expliquei sobre o funcionamento do cluster de banco de dados e como esta arquitetura balanceia a quantidade de requisições ao banco.

Balanceando as cargas de acesso

Do lado da aplicação é possível balancear os processos. Com o balanço, sua rede direcionará os acessos ao WordPress para instâncias separadas de forma uniforme. Por fim você otimizará a utilização dos recursos e evitará sobrecargas que poderiam ocorrer em uma instância única.

Cacheamento dos dados em nível de servidor com Redis

O Redis é um servidor de estruturas de dados que pode ser usado como um servidor de banco de dados. Ele também pode ser utilizado em paralelo com o MySQL para aumentar o seu desempenho. Ele é recomendado para ser configurado como cache. Desta forma ele é capaz de aliviar o consumo que as queries de banco de dados usam para renderizar a página em WordPress.

Como resultado teremos um WordPress renderizado muito mais rápido, o consumo bem menor dos bancos de dados e cache persistente e ajustável.

Como podem ver, este artigo não foca mais naquelas simples soluções baseadas em otimizações feitas por plugins do WordPress que funcionam em diversos blogs menores. Aqui estamos falando  em soluções para
grandes sites que tem acessos e processos bem mais robustos. Nestes casos ter o controle total das requisições, rede, banco de dados são de fato os maiores responsáveis pela estabilidade do site.

Para o próximo artigo, vou escrever sobre a configuração do Redis para manter o cacheamento das informações do WordPress. Então até lá.

Felipe Moraes
Felipe Moraes

Gerente de desenvolvimento na DialHost, Designer Gráfico formado pela Universidade FUMEC, Minas Gerais e Pós graduando em Branding pelo Centro Universitário UNA, possuo interesse em design de interação e interfaces. Trabalha com programação e criação para web, desde 2006. Apreciador de Bacon, Pudim e music Tag.

Comentários

Comentários ofensivos serão moderados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *